Amadeo de Souza Cardoso

Movimento

Cubismo

Ano

1887-1918

Informação

Aos 18 anos matriculou-se na Escola das Belas Artes de Lisboa. Dois anos depois parte para Paris, onde frequenta cursos de preparação para a Escola de Belas Artes. Cedo, porém, desiste do curso de arquitectura, estudando pintura em várias academias livres e no atelier do espanhol Anglada Camarasa - espanhol com quem acamaradou, entre outros portugueses que vagueavam pelos ateliers de Montparnasse.

Em 1908 instala-se no número catorze da Cité de Falguière, convivendo em Paris com vários pintores dos quais se destaca Modigliani com quem exporá em 1911, no seu atelier.

Participou intensamente em exposições de vanguarda na Alemanha e América. A primeira grande guerra obriga-o a regressar, fixando-se em Manhufe, onde continua a pintar.

Em 1916 com oitenta óleos, aguarelas e desenhos expõe com o título de Abstraccionismo. Em 1917 faz parte de um movimento futurista português.

Em 1918 falece vítima da pneumónica.

A sua obra fica praticamente desconhecida até 1952 quando se dá o descobrimento que culmina no S. N. I. Em 1959.

Pôde, então, verificar-se o extraordinário mérito deste artista desde os primeiros desenhos e pinturas, de carácter decorativo e orientalizante , à época cubista, que em breve ultrapassaria entrando numa fase de intenso experimentalismo abstralizante , em que o seu vivo temperamento de colorista e o seu deslumbrado apego às formas do "torrão natal" se combinam em sínteses de espantosa força e admirável originalidade, em que se revela um poder inventivo que precedeu, em muitos aspectos outros artistas bem mais famosos, como Delaunay ou Léger.

Iniciou o seu trabalho com pequenas "pochades" de impressão.

Depois, com Modigliani expõe no XXVII Salon des Indépendents de Paris que o classifica de um estilo precioso e mundano com algo decorativo no seu grafismo estilizado, cujo colorido é espectacular de influência oriental luxuosa.

A sua obra é caracterizada por:
- paisagens exóticas com estilizações prodigiosas;
- aspectos decorativos e surpreendentes com desenhos cubistas que transmitem: elegância; mistério; imaginação; emoção; poesia e simbolismo.

Na sua pintura revela um sentimento romântico com o fascínio da sua cor; com o sentido feérico, Amadeu acumula elementos geométricos caligráficos, com linhas encurvadas azuis, verdes, rosas, laranjas e amarelas que conduzem a uma acção extremamente dinâmica. Este dinamismo implica movimento e velocidade, sinais de uma vida futurística.

A obra de Amadeu é a passagem do figurativo ao abstracto, cujas funções são espaço e luz conduzindo à forma do cubismo.

Este é um dos estilos das artes plásticas mais salientes no primeiro quartel do século XX, oposto ao impressionismo, pelo facto de substituir a análise da cor pela das formas dos objectos, com tendência para a geometrização dessas formas.

Detentor de uma vasta obra, num curto tempo de vida, apresenta dezenas de óleos, aguarelas e desenhos que se encontram integrados no " Parto da Viola" que é um conjunto de obras de difícil classificação histórica lembrando Cubismo e Futurismo, mas já reagindo contra estes. Tudo joga e se contradiz num "non sens".

A sua obra apresenta um mundo progressivo de tensão dramática com um crescimento de raiva. Este futurismo é implícito ao dinamismo sintáctico da intelectualização futurista dos seus amigos lisboetas.

A Obra de Amadeu é a realidade da chegada inédita ao abstraccionismo de linha cubista com a proposta de um purismo " avant-la-lettre" sem o apoio do grupo baseado na sua revolta pessoal contra o destino.

Trabalhos

 
Barcos
1913

 
Cabeça
1913

 
Cozinhada Casa de Manhouce
1913

 
Les Cavaliers
1913

 
Menina dos Cravos
1913

 
1914
 
Canção Poupular a Russa e o Fígaro
1916

 
Entrada
1917

 
Brut 300 TSF
1917