Arquitectura do Ferro


A industrialização colocou ao dispor da arquitectura e dos sistemas construtivos, novos materiais e tecnologias. Desde o final do séc. XVIII, que o ferro começou a ser produzido industrialmente para a aplicação na construção de pontes e estruturas.

Ligado ao vidro permitia a formação de grandes superfícies iluminadas e amplos espaços. O sistema de pré fabricação tinha como consequência uma rapidez de construção e tronava o próprio processo construtivo mais económico. Mais tarde surgiram materiais, como o betão armado e novas tecnologias integradas na arquitectura, como o elevador e a luz eléctrica, que traziam consideráveis melhorias e provocaram o aparecimento de novas metodologias conceptuais e construtivas.

Antes dos arquitectos, foram os engenheiros a preferiam os novos materiais e lhes deram expressão estética e sentido artístico. Inicialmente, dominava uma racionalidade estrema que pode ser designada de racionalismo mecânico, pois o resultado estético de um edifício ou de qualquer sistema construído era apenas consequências da lógica construtiva e não eras programado previamente.

Mas progressivamente foram sendo introduzidos os revivalismos, com destaque para o neo-gótico, cujo o sentido estrutural se ajustava bem á nova técnica, e até ao ecletismo. Numa cronologia da arquitectura do ferro, são pioneiras as grandes pontes construídas no final de século XVIII e durante o século XIX, nomeadamente em Inglaterra (a de Coalbrookdale com 5 arcos em 1779 a de Suderland, com um só arco de 72m, em 1796); nos EUA (Brooklyn em Nova Iorque).

Paralelamente surgem também estufas, os grandes armazéns com cobertura metálica, as estações de caminho de ferro, os mercados e até mesmo edifícios públicos (biblioteca nacional de Paris). Nos teatros em particular nas zonas do palco e dos camarins, também de aplicou desde cedo o ferro, que oferecia claramente maios resistência e segurança, inicialmente o ferro era disfarçado de modo a imitar a pedra e a madeira, como o pavilhão real de Brighton, em Inglaterra (1816-1818), projectado por Jonh Nash.

Mas o Palácio de Cristal projectado por Paxton e construído pela exposição universal de Londres, em 1851, marcou o início de uma nova atitude que passou a assumir o novo material com o valor próprio e dar-lhe expressão estética, além da funcionalidade. Posteriormente todas as exposições internacionais afirmaram o progresso técnico e a modernidade através de grandes construções em ferro, com o destaque da Torre Eiffel, inaugurada em Paris em 1889.

 

Escrito Por: Vanessa Almeida

Obras

 
Torre Eiffel