Claudio Dantas

Movimento

Contemporâneo

Ano

1959-...

Informação

Amante da Arte desde pequeno, segui, entretanto, o caminho da Engenharia Química até 1987, quando resolvi dedicar-me integralmente à pintura. Cursei alguns meses da Escola de Belas Artes da UFRJ até descobrir que infelizmente não seria ali que conseguiria atingir minhas metas artísticas, já que a Escola abandonara completamente a figuração e tudo o que considero fundamental para a formação do pintor. A partir de então, continuo como autodidata um estudioso da Grande Pintura, da Renascença ao Impressionismo.

A partir de 1988, ingressei no Mercado de Arte através da Galeria Heritage no Rio de Janeiro, e desde então vivo exclusivamente da Pintura.



“Muito se discute sobre o que vem a ser Arte. Desde o século XX ocupamo-nos a questiona-la e estabelece-la como se pudéssemos molda-la. Devemos sempre questionar a obra, não a Arte. O dinamismo e o imediatismo de nossos tempos leva-nos a considerar somente o presente e a esquecer e renegar o passado. Na ânsia de criar o ‘original’, derrubamos impiedosamente as realizações anteriores, numa sucessão de rótulos e ‘ismos’ que acabam por desvirtuar o verdadeiro sentido e objetivo da Arte.

Acredito que a verdadeira Arte não pode ter radicalismos nem padrões estéticos estabelecidos; deve ser somente bela - naturalmente, a própria beleza não é padronizada, é um sentimento e não uma forma . Não se precisa jogar os Pompiers nos porões para darem lugar aos Impressionistas; Picasso não deixa de ser Arte se Van Eyck o for, ou vice-versa.

Assim, questiono sempre meu trabalho, com a intenção de torna-lo Arte e torna-lo Belo. O artista não pode deixar de estudar e procurar se desenvolver dentro de sua arte, seja de que forma for.

Arte, acima de tudo, é um ofício árduo, mas gratificante a partir do momento em que sua mensagem é subjetivamente absorvida . Espero poder dar minha pequena parcela para esta eterna discussão.

Trabalhos

 
"Livre 2"
 
Luz 2
 
Repouso

 
Sonho